Grupo de Julio Brant já teria acertado com Klauss Câmara, ex-Cruzeiro, para o cargo de diretor de futebol

[dfads params=’groups=587′]

Júlio Brant segue à espera de confirmação judicial e da eleição do Conselho Deliberativo do Vasco para assumir a presidência do clube. Enquanto isso não ocorre, o candidato da chapa “Vem Ser Sempre Vasco” já definiu que Klauss Câmara, ex-diretor de futebol do Cruzeiro, será o responsável pelo cargo no clube carioca. As partes entraram em acordo nesta terça-feira, quatro dias depois de o gerente de futebol Anderson Barros deixar São Januário e acertar com o Botafogo.

Klauss também foi procurado pelo Figueirense – que ofereceu dois anos de contrato com direito a pagamento de multa rescisória em caso de demissão –, mas a possibilidade de montar um grupo que disputará a Copa Libertadores da América em 2018 pesou na escolha do executivo.
[dfads params=’groups=588′]
[dfads params=’groups=1322′]
O Vasco entrará na segunda fase e enfrentará a Universidad de Concepción, do Chile. Se passar, pegará Universitario-PER, Oriente Petrolero-BOL ou Jorge Wilstermann-BOL. Em caso de vitória na terceira fase, o time cruz-maltino cairá justamente no Grupo 5, cujo cabeça de chave é o Cruzeiro. Universidad de Chile e Racing-ARG são os outros integrantes.

Klauss Câmara, de 37 anos, foi diretor de futebol do Cruzeiro em 2017 e participou da montagem do grupo campeão da Copa do Brasil. Antes, executou as funções de diretor de futebol de base (jun/2014 a dez/2017) e coordenador de captação (jul/2010 a ago/2011).
[dfads params=’groups=587′]
[dfads params=’groups=1322′]
O profissional também trabalhou em Figueirense (supervisor geral de base, de mar/2016 a nov/2018), Atlético-PR (coordenador de captação da base, de nov/2008 a jun/2010) e Fluminense (ago/2011 a jun/2014).

Formado em Educação Física, Klauss é pós-graduado em Gestão Esportiva e tem especialização em Gestão e Marketing Esportivo.

Eleição na Justiça

O resultado da eleição no Vasco está sub judice, já que a Justiça determinou em primeira instância a anulação do pleito. O motivo: manipulação de resultados na urna de número 7, na qual o atual presidente Eurico Miranda recebeu 428 votos, contra apenas 42 de Júlio Brant.

Contabilizando esses números ao placar geral, Eurico teria 2.111 votos, e Brant 1.975. Sem a “urna da discórdia”, o candidato da oposição seria o vencedor: 1.933 a 1.683.
[dfads params=’groups=587′]
[dfads params=’groups=1322′]
Segundo apuração do portal Uol à época da divulgação das irregularidades, havia sócios com cadastros incompletos e associações ao quadro social do clube aos domingos – o que, em tese, não é possível, pois a secretaria funciona de segunda-feira a sábado. Houve, ainda, endereços e números de telefone inexistentes, o que gerou muita contestação por parte da chapa de Júlio Brant.

Fonte: Superesportes
[dfads params=’groups=587′]
[dfads params=’groups=1322′]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *