Justiça suspende novamente votos da urna 7; Brant passa Eurico

[dfads params=’groups=587′]

Uma nova reviravolta na eleição do Vasco: nesta segunda-feira, a desembargadora Marcia Alvarenga, da 12ª Câmara Cível, decidiu invalidar os votos da urna 7. Com isso, a chapa de Julio Brant fica em primeiro lugar no pleito. O resultado final da eleição, porém, segue sub judice – ou seja, precisará de nova decisão da Justiça para ser validado.

A chapa de Eurico Miranda cai para a segunda posição e ainda pode recorrer. Neste caso, o próximo passo será o julgamento do mérito pelo colegiado de desembargadores da 12ª Câmara Cível – uma vez que a atual decisão foi tomada apenas por Marcia Alvarenga. Isto, porém, só deve ocorrer após o recesso da Justiça – ou seja, no início de 2018.

[dfads params=’groups=588′]
[dfads params=’groups=1322′]

Com nova decisão da Justiça, chapa de Julio Brant fica em primeiro lugar na eleição (Foto: André Durão)

Com nova decisão da Justiça, chapa de Julio Brant fica em primeiro lugar na eleição (Foto: André Durão)

[dfads params=’groups=587′]
[dfads params=’groups=1322′]

“Sérios indícios”

Marcia Alvarenga citou “sérios indícios de que a maioria dos votantes não estaria apta a votar, por não estar em dia com o pagamento de suas mensalidades” e revogou o efeito suspensivo que havia concedido ao Vasco – na época, ela afirmou que uma decisão só poderia ser tomada após a perícia realizada na urna 7.

Com isso, voltou a valer a decisão da juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves, de primeira instância, que anulava os votos – ela manteve sua determinação após o resultado da perícia, na última semana.

[dfads params=’groups=587′]
[dfads params=’groups=1322′]

– De fato, apesar da atual administração ser a maior interessada na produção da prova referente à regularidade social dos 475 sócios votantes na urna 7, sequer apresentou qualquer comprovante de pagamento individual dos sócios gerais, para aquisição dos títulos patrimoniais, a fim de demonstrar que os mesmos estavam regularmente inscritos no quadro social do Clube, o que não seria difícil obter junto à empresa gerenciadora de seu banco de dados e cobrança. Muito pelo contrário, limitou-se a apresentar, tão somente, balancetes globais e algumas fichas de inscrição, não suficientes para espancar as dúvidas quanto à existência de eventual fraude a macular a eleição sub judice – escreveu a desembargadora em sua decisão.

Brant fica à frente na eleição

Enquanto isso, o processo eleitoral transcorre com vitória de Julio Brant. Assim, sua chapa poderá nomear 120 conselheiros para formar o Conselho Deliberativo, que irá decidir em janeiro o novo presidente do Vasco. A chapa de Eurico nomeará 30, e estes 150 se juntarão a outros 150 conselheiros natos para definir o mandatário.

[dfads params=’groups=587′]
[dfads params=’groups=1322′]

A decisão da Justiça vem após o resultado de uma perícia simplificada na urna 7. O parecer apontou que não havia evidências de regularidade dos sócios sob suspeita e que os documentos apresentados pelo Vasco não comprovavam o pagamento das mensalidades destas pessoas.

Fonte: Globoesporte.com

[dfads params=’groups=588′]
[dfads params=’groups=1322′]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *