Operação apreende dados do Vasco em empresa terceirizada

[dfads params=’groups=587′]

Policiais da 17ª DP (São Cristóvão), um oficial de justiça e um perito judicial cumpriram ordem de produção antecipada de provas no último dia 1°, na empresa de informática responsável pelo software e pela gestão do banco de dados do Vasco. Por decisão da 17ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, o clube foi obrigado a permitir a cópia dos dados. A ação, de autoria de Renato Cícero Freire de Brito Neto, visa obter informações sobre o cadastro de sócios do clube, de olho na eleição de novembro.

Localizada na Vila da Penha, Zona Norte do Rio, a empresa I-Build Tecnologia recebeu a visita da polícia por volta das 11h do dia 1º. Advogados do Vasco e do estabelecimento já aguardavam no local. Os representantes legais ainda tentaram evitar que cópias do banco de dados do clube fossem levadas, oferecendo apenas relatórios em cima dessas informações, mas acabaram sendo obrigados a autorizar a transferência dos arquivos para o HD externo do perito.
[dfads params=’groups=588′]
[dfads params=’groups=1322′]
Os dados passarão por análise e devem ser utilizados para ajudar na definição da lista de sócios votantes para o pleito de novembro. A tentativa do autor da ação, membro da oposição à atual diretoria, é identificar os sócios provenientes do “mensalão” de 2014, quando grupos políticos financiaram a entrada de novos associados para participarem do pleito e garantiram aqueles votos.

O departamento jurídico do Vasco ainda entrou com recurso no decorrer da semana passada para derrubar a liminar que originou a busca e apreensão dos dados cadastrais do clube, mas não obteve êxito. Procurada, a diretoria ainda não havia se posicionado sobre o assunto até a publicação desta matéria.
[dfads params=’groups=588′]
Esse não foi o primeiro movimento da oposição na esfera judicial. Em fevereiro, policiais militares e oficiais de justiça acompanharam peritos em São Januário na apreensão de computadores da secretaria do clube. O objetivo na ocasião era ter acesso à lista de sócios votantes ativos. Agosto será decisivo no processo político do Vasco: a lista de sócios eletivos, tanto para o Conselho Deliberativo quanto para a presidência, será fechada este mês. A partir dessa lista devem ser confirmadas as chapas candidatas. Além disso, até o dia 15, a diretoria deve marcar a data da eleição.
[dfads params=’groups=587′]
[dfads params=’groups=1322′]
SÓCIOS RECLAMAM DE DIFICULDADES

Outro ponto importante que será definido até o dia 31 é a lista de sócios votantes. Com a proximidade do fechamento da relação, muitos associados têm procurado o clube para regularizar o pagamento das mensalidades e assim garantirem o direito a voto — pelo estatuto do Vasco, somente sócios com mais de um ano de associação e em dia podem votar. Entretanto, há vários relatos na internet de sócios com problemas para quitar suas dívidas.

Algumas reclamações dos torcedores são referentes ao não recebimento de boletos em casa e a dificuldade para gerar os mesmos a partir do site do clube — até o fechamento da reportagem, a área destinada para sócios no site do Vasco estava desativada. Diante do problema, muitos foram diretamente a São Januário e encontraram outros complicadores.

Alguns sócios foram instruídos a escrever uma carta de próprio punho ao vice-presidente do Vasco, Silvio Godói, para que ele analisasse cada caso individualmente, decidindo a favor ou contra o pagamento da dívida. Houve quem recebesse a instrução de pagar a mensalidade do mês corrente para ter a carteira de sócio reativada, sendo que qualquer passivo antigo o deixaria inapto a votar.

A reportagem entrou em contato com seis sócios que estão com dificuldades para efetuar esses pagamentos. Apenas um aceitou ter o nome revelado, enquanto outros preferiram o anonimato, com medo de represálias.
[dfads params=’groups=588′]
Wagner Braga Azevedo, 48 anos, sócio proprietário do Vasco desde 1992, mora em Porto Alegre e há quase um ano tenta regularizar sua situação. Segundo ele, o clube parou de enviar o boleto para sua residência. Depois de as promessas de regularização do envio não terem sido cumpridas, ele tentou o acesso ao boleto via site, mas também não conseguiu. Para ele, as dificuldades possuem cunho político.

— Sempre coloquei minhas opiniões nas redes sociais. Para mim, isso que está acontecendo é uma manobra política, pois sabem que serei menos um voto na oposição. Eles estão fazendo isso com vários sócios — reclamou o assessor técnico da TVE.

Quanto à questão dos sócios, o Vasco garantiu que não há dificuldades no pagamento. Aqueles com até três meses atrasados podem tirar o boleto de pagamento no site do clube. Quem tem mais do que isso precisa pagar o total na Divisão de Cobrança, em São Januário. Em relação aos problemas no site, afirmou que ele saiu do ar na sexta-feira passada para manutenção e que no máximo até terça-feira pela manhã estará funcionando.

O clube informou ainda sócios proprietários e patrimoniais precisam pagar toda a dívida para voltarem a ser ativos. Já sócios gerais, dependendo do tempo de atraso, podem ter a matrícula cancelada.

Fonte: O Globo
[dfads params=’groups=587′]
[dfads params=’groups=1322′]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *