Vasco divulga texto sobre Série B: ‘Vergonhoso não é cair. Vergonhoso seria se possuíssemos passado racista’

Neste sábado, 14 de maio de 2016, o futebol profissional masculino do CR Vasco da Gama inicia a sua campanha no Campeonato Brasileiro 2016 – Série B. O descenso ocorrido ano passado colocou nosso Gigante da Colina outra vez em uma categoria de acesso no “esporte bretão”. Nesses momentos em que nosso orgulho sofre arranhões, em que, podemos dizer, nosso “coração sangra”, devemos ter em mente a grandiosidade na Instituição, recordarmos as dificuldades do passado e entendermos que meses nos separam do retorno ao seleto grupo do campeonato que reune, em nível nacional, os melhores clubes brasileiros.

Além disso, acima de tudo, é preciso compreender que somente conseguiremos elevar o Vasco ao seu devido lugar juntos. Para isso, faz-se necessário estar com o Clube, onde ele estiver, independentemente, das condições que se apresentam. Devemos ser vascaínos pelo Vasco, não pelo o que falam do Vasco. Se somos adeptos do Vasco, principalmente, pelo futebol, saibamos que nesse esporte sempre nos destacamos por conquistas baseadas na superação e posicionamentos contrários ao monopólio elitista sobre esta prática, não por divisões de ligas e campeonatos.

O Vasco iniciou, em 1916, o que hoje é o Campeonato Carioca, na 3ª Divisão da Liga Metropolitana de Sports Athleticos (LMSA). Passou 7 anos (1916-1922) nas divisões de acesso da Liga até poder, no ano de 1923, disputar a 1ª Divisão – Série A…e a conquistou. Venceu os “ditos grandes” com jogadores excluídos pelos mesmos. Desde 1906, quando foi criado o “Campeonato da Cidade”, venciam equipes marcadamente constituídas por homens brancos, de boa condição social. Os membros das camadas populares ficavam em clubes pequenos e emergentes, sempre “podados” pelos “grandes” para que não conseguissem vencer o torneio.

Coube ao Vasco a proeza de abalar o status quo do futebol carioca. Colocar o negro e branco de baixa condição social para vencer os “clubes ricos”. Poderia ter sido qualquer outro, mas, foi o Vasco, nenhum outro conseguiu a primazia de demonstrar claramente que o futuro do futebol estava na política de seleção de jogadores a partir da qualidade técnica, não da condição social ou racial (no Brasil, marcado pela famosa “cor de pele”).

Não foi o Vasco um dos fundadores da Liga Metropolitana. Não foi o Vasco o beneficiado que, ao invés de disputar as divisões de acesso, foi alçado diretamente à 1ª Divisão da Liga. Não foi o Vasco paparicado diariamente por jornais e revistas “imparciais” da Cidade do Rio de Janeiro. Foi o Vasco, instituição nascida da congregação de portugueses e brasileiros. Foi o Vasco que, através do futebol, atingiu o ápice da integração entre o Clube e as mais diversas camadas da sociedade. Foi o Vasco que teve que amargar 7 anos (!) em divisões de acesso para se estruturar, trabalhar e produzir com esforço o seu próprio “know-how” de fazer futebol.

Se for preciso, para os vascaínos desmemoriados e os rivais gozadores de momento (especialmente para os que não nos vencem há muito tempo), recordemos as glórias que conquistamos nesse esporte chamado futebol:

– 2 títulos continentais (1948*-1998) – (*) Invicto
– Copa Mercosul (2000)
– 4 Campeonatos Brasileiro (1974-1989-1997-2000)
– 24 títulos cariocas (6 campeonatos invictos – 1924-1945-1947-1949-1992-2016)

– Títulos internacionais, tais quais: o Torneio Internacional Octogonal Rivadávia Correa Meyer (1953), Torneio de Paris (1957), o Troféu Teresa Herrera (1957) e o Torneio Ramón de Carranza (1987, 1988 e 1989)

– Confira a lista completa dos títulos: http://www.vasco.com.br/site/conteudo/detalhe/181

Igualmente, se for necessário, recordemos que outros grandes clubes do futebol mundial já passaram por divisões de acesso a nível nacional:

– ARSENAL (Inglaterra)
– ATLÉTICO DE MADRID (Espanha)
– ATLÉTICO MINEIRO (Brasil)
– BAYERN DE MUNIQUE (Alemanha)
– BORUSSIA DORTMUND (Alemanha)
– BOTAFOGO (Brasil)
– CHELSEA (Inglaterra)
– CORINTHIANS (Brasil)
– GRÊMIO (Brasil)
– INDEPENDIENTE (Argentina)
– JUVENTOS (Itália)
– LIVERPOOL (Inglaterra)
– MANCHESTER UNITED (Inglaterra)
– MILAN (Itália)
– PALMEIRAS (Brasil)
– RACING CLUB (Argentina)
– RIVER PLATE (Argentina)

Vergonhoso não é cair. Clube grande cai, levanta e vence. Vergonhoso seria se possuíssemos passado racista, se nossa história fosse um arquétipo de glória baseada em populismo barato ou se utilizássemos de artimanhas extracampo para escapar de rebaixamentos impostos por resultados esportivos. Isso, definitivamente, não é Vasco.

O Vasco é o clube da integração cultural, do pioneirismo, da luta, da superação, da glória baseada no trabalho, do enfrentamento àqueles que sonhavam com o futebol como um eterno desfile de alta sociedade. Assim, esperamos que o sócio/torcedor vascaíno apoie o Vasco, onde estiver o Vasco; que o apoie por tudo o que ele representa para o esporte brasileiro. Pedimos que os vascaínos (as) estejam ao lado do Clube nesse momento imbuídos do sentimento de que passamos por mais uma prova difícil e que para superá-la é fundamental a força das arquibancadas e de seu quadro associativo. Vamos juntos fazer o nosso Gigante ainda mais vitorioso.

Rumo ao bicampeonato da Copa do Brasil, à Libertadores 2017, ao acesso para o Campeonato Brasileiro 2017 – Série A e ao Tricampeonato Carioca (2017)!

“O Vasco é um clube rico, de adeptos trabalhadores e dedicados”
(Antigo ditado vascaíno)

Texto: Walmer Peres (Historiador)

Vice-Presidência de Relações Especializadas

Divisão: Centro de Memória

Fonte: Site oficial do Vasco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *