Vasco: Roberto Monteiro planeja eleições diretas e mais clareza no estatuto

[dfads params=’groups=587′]

Uma das primeiras ações de Roberto Monteiro como presidente do Conselho Deliberativo do Vasco será dar início às discussões para a reforma estatutária do clube. Duas pautas são consideradas as mais importantes: a realização de eleições diretas e dar mais clareza a certos tópicos do documento.

– Eleições diretas são a grande discussão. Sou defensor da proposta, mas entendo que isso é fruto de um debate com todos os poderes do clube. E dar mais clareza ao estatuto. Quem tem pouca convivência do Vasco não tem a clareza dos procedimentos. Prcisamos tirar essas dúvidas – disse Monteiro.

[dfads params=’groups=588′]
[dfads params=’groups=1322′]

Roberto Monteiro é o novo presidente do Conselho Deliberativo do Vasco (Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)

Roberto Monteiro é o novo presidente do Conselho Deliberativo do Vasco (Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)

Para que a reforma seja realizada, há uma série de passos a serem tomados nos próximos dias. Monteiro acredita que, em seis meses, será possível discutir as propostas.

[dfads params=’groups=587′]
[dfads params=’groups=1322′]

– Nós vamos constituir na próxima sessão (do Conselho Deliberativo) a comissão que vai trabalhar o estatuto. Em seis meses, no máximo, o processo está maduro para discutir as questões e colocar para aprovação. Nossa função é unificar uma pauta de todas as forças políticas do Vasco. A modernização do estatuto é um objetivo a ser alcançado nessa gestão.

Em 2014, Monteiro chegou a tentar uma discussão no Deliberativo em busca das eleições diretas. Na época, porém, não teve avanço.

A ideia do dirigente, porém, não é tirar força dos beneméritos e grandes beneméritos do clube. No atual sistema eleitoral, eles são decisivos na escolha do presidente, pois compõe metade do Conselho Deliberativo.

[dfads params=’groups=587′]
[dfads params=’groups=1322′]

– Reforma não significa perda de direitos. Ao contrário. Queremos prestigiar e elevar os beneméritos. Mas é importante o entendimento de que a reforma é necessária para avançar nas propostas mais ousadas de gestão. Se não conseguirmos modernizar 100%, vamos tentar 70%, 80%.

[dfads params=’groups=587′]
[dfads params=’groups=1322′]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *