veja 6 viradas que servem de exemplo para time reagir

Romário Vasco 2000 (Foto: Getty Images)O Vasco comemora aniversário de 117 anos nesta sexta-feira. Em campo, o time passa por situação complicada no Campeonato Brasileiro. Com apenas 13 pontos conquistados no primeiro turno, precisa de uma espetacular reação nas próximas 19 rodadas para sair da lanterna e se manter na Primeira Divisão. Mas, no Vasco, superar situações de adversidades dentro de campo não é algo raro.

Na vitoriosa história cruz-maltina sobram razões que justificam o título de “Time da Virada’. Desde um Torneio Relâmpago em 1944 até a Sul-Americana de 2011. Da “virada-chocolate” em 2000, contra o maior rival, à “virada do século”, meses depois, na Copa Mercosul.

Nesta data especial, o GloboEsporte.com separou seis viradas que mostram o motivo de o torcedor vascaíno acreditar que é possível sair desta situação no Brasileirão.

A maior virada de todas é também a que mais mexe com a memória do vascaíno. Na noite de 20 de dezembro de 2000, em um Palestra Itália lotado, o Vasco precisava da vitória sobre o Palmeiras na terceira partida da final da Mercosul daquele ano. O primeiro jogo, terminado em 2 a 0 para o Vasco, e o segundo, 1 a 0 para o Palmeiras, levaram a decisão para aquela noite de quarta-feira.

Até o fim do primeiro tempo, a taça parecia garantida para o time paulista. Arce, Magrão e Tuta abriram 3 a 0 nos 45 minutos iniciais. Mas, na segunda etapa, com um a menos em campo, Romário, três vezes, e Juninho Paulista trataram de colocar o Vasco à frente do placar. O último gol, marcado pelo Baixinho, foi nos acréscimos, justificando ainda mais o apelido que a partida ganhou: Virada do século.

Veja o vídeo aqui.

VASCO 5 X 2 UNIVERSITÁRIO, 2011

A virada em questão não foi conseguida dentro de 90 minutos. O Vasco até começou vencendo o segundo jogo das quartas de final da Sul-americana, com pênalti convertido por Diego Souza. Só que o placar da primeira partida, 2 a 0 a favor do Universitário do Peru, em Lima, indicava que o Cruz-maltino precisava fazer três gols de diferença para avançar à fase seguinte. E os gols de Ruidiáz e Rabanas, que viraram o jogo para o time peruano, tornaram o desafio ainda maior.

A reação teve um nome: Dedé. Foi Elton quem empatou o jogo, aos 3 do segundo tempo. Mas, aos 12 e 27, o zagueiro do Vasco faria dois gols para reacender a chama da torcida e dar esperanças ao time carioca. Faltando pouco para o fim da partida, aos 37, Alecsandro marcou o quinto, o da “virada”, que garantiu o Gigante da Colina na semifinal da competição.

VASCO 5 X 1 FLAMENGO, 2000

Quem lembra do “chocolate” aplicado pelo Vasco no Flamengo, em 2000, provavelmente se recorda das piadas feitas por aquele ter sido um domingo de Páscoa, ou de Romário, que não jogava contra o Rubro-Negro com a camisa cruz-maltina desde 1988. Foge de memória o fato de que aquela partida começou em desvantagem para o Gigante da Colina.

Leandro Machado foi autor do primeiro gol do jogo, a favor do Flamengo, mas a virada não demoraria muito. Felipe empatou minutos depois e Romário, três vezes, tornou goleada a vantagem vascaína. Pedrinho, aos 23 do segundo tempo, fecharia o placar em 5 a 1, garantindo o título da Taça Guanabara.

VASCO 3 X 2 FLAMENGO, 1975

Zico Roberto Dinamite Flamengo x Vasco Arquivo (Foto: O Globo)

Quando Edson e Luizinho marcaram para o Flamengo, no início do primeiro tempo, parecia que o Rubro-Negro venceria por goleada no Maracanã, em partida válida pelo segundo turno do Campeonato Carioca de 1975. Ainda no primeiro tempo, Luís Carlos diminuiria e Roberto Dinamite, de falta, empataria a partida. Na segunda etapa, o improvável aconteceu. Luís Carlos, novamente, em chute desviado na zaga adversária, deu a vitória para o Vasco.

VASCO 3 X 0 LANÚS, 2007

Em 2007, na segunda partida das oitavas de final da Copa Sul-Americana, o Vasco venceu o Lanús por 3 a 0. O resultado pode até fazer a partida parecer ter sido fácil, sem emoção. A questão é que no jogo de ida, na Argentina, o Cruz-Maltino perdera por 2 a 0. O resultado conseguido no segundo jogo era exatamente o que o Vasco precisava para avançar no torneio.

Com dois gols, Leandro Amaral foi o cara da partida. Ele abriu o placar aos 29 do primeiro tempo. Wagner Diniz, aos 30, ampliaria para os cariocas. E aos 45, em cima da hora, o atacante, novamente, abusou do oportunismo para concluir a gol uma bola desviada de cabeça por Alan Kardec.

VASCO 5 X 2 FLAMENGO, 1944

Expresso da vitória Vasco da Gama (Foto: Reprodução / Site Oficial Vasco da Gama)Expresso da vitória fez história no Vasco (Foto: Reprodução / Site Oficial Vasco da Gama)

Como viria o primeiro título do “Expresso da Vitória”? De virada, é claro. Em 1944, o time histórico do Vasco, que ganharia tudo até o começo dos anos 50, levantou o primeiro troféu no Torneio Relâmpago daquele ano, espécie de aquecimento para o Campeonato Carioca. E o triunfo veio frente ao maior rival, o Flamengo.

Aos 31 do primeiro tempo, o Fla vencia por 2 a 1. Foi quando começou a reação. Em 10 minutos, com Lelé, Djalma e Isaías, duas vezes, o Gigante da Colina reverteu o resultado. Há 71 anos, o Vasco mostrava o porquê de ser chamado de “Time da Virada”.

Via Globoesporte.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *